Rastreamento de aneuploidias fetais no segundo trimestre

No momento da realização dos testes de rastreamento do segundo trimestre da gestação, é fundamental levar em consideração os resultados dos exames de rastreamento anteriormente realizados. Isto é, o risco final corrigido em função da medida da translucência nucal fetal e das dosagens bioquímicas maternas, realizadas no primeiro trimestre da gestação, passa a ser considerado o risco inicial para os testes de rastreamento do segundo trimestre.

Outro aspecto fundamental a ser destacado, é que, com a identificação de significativa parcela das gestações com fetos trissômicos nos exames de rastreamento do primeiro trimestre, os testes de rastreamento, que são aplicados subsequentemente no segundo trimestre, passam a apresentar valores preditivos muito inferiores, devido à significativa redução na prevalência da anormalidade fetal na população.

Marcadores ultra-sonográficos

Marcadores bioquímicos maternos

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você pode se interessar:

ovario policistico

Ovários Policísticos (SOMP)

Os ovários policísticos afeta 13% das mulheres em idade reprodutiva SOMP – causa comum de infertilidade Ovários policísticos – SOMP – doença endócrino-metabólica cujas características