Transferência Embrionária. O que é e como funciona.

A transferência embrionária é o procedimento realizado para colocar o embrião no útero em que irá acontecer seu desenvolvimento. Corresponde ao último processo da fertilização in vitro (FIV), depois da fecundação dos gametas em ambiente laboratorial.

Portanto, é comum que seja um momento de ansiedade para as pessoas que optam por essa técnica de reprodução assistida. Depois de 12 ou 14 dias contados a partir da transferência embrionária, é realizado o exame de sangue para detectar os níveis de Beta-hCG e, enfim, confirmar o êxito da gravidez.

Preparativos:

Em geral, se os óvulos não forem congelados, a transferência embrionária acontece dentro de 3 ou 5 dias após a coleta do material genético.

Logo, a paciência e tranquilidade são importantes para que os preparativos ocorram da melhor maneira.

A recomendação é beber bastante água no dia anterior ao procedimento para que a bexiga esteja cheia. Dessa forma, o útero permanece reto e o aparelho de ultrassom consegue captar melhores imagens do órgão. Uma boa visão da cavidade uterina contribui bastante para o sucesso do método.

Como funciona a transferência embrionária?

Depois da coleta dos gametas (óvulos e espermatozoides), eles serão fecundados em laboratório. Feito isso, os embriões resultantes são avaliados por um especialista que seleciona aqueles com melhor potencial de desenvolvimento para serem transferidos para o útero da futura mamãe. 

O procedimento é indolor e bastante simples. Por isso, habitualmente, não há necessidade de anestesiar a paciente. Para efeito de comparação, há um desconforto semelhante ao sentido no exame Papanicolau.

Quantos embriões podem ser transferidos?

A resposta para essa pergunta varia bastante, de acordo com múltiplos fatores. Os principais aspectos que definem a quantidade de embriões que podem ser transferidos são a idade da paciente e a receptividade de seu endométrio.

O Conselho Federal de Medicina recomenda que quatro seja o número máximo de embriões a serem depositados no útero em uma transferência. Afinal, um número maior de embriões transferidos aumenta de maneira considerável as chances de gestação múltipla, que pode ser perigosa para a mãe e os bebês.

Via de regra, pacientes com até 35 anos costumam receber um ou dois embriões. Dos 35 aos 37, transferem-se dois. A partir dessa faixa etária até os 40 anos, no máximo três. E, depois dos 40 anos, podem ser transferidos até quatro.

E depois da transferência embrionária?

Realizada a transferência embrionária, a paciente pode manter seus hábitos e rotinas normais. Trabalho, estudos e atividades do cotidiano não precisam ser modificadas, visto que o depósito do embrião no útero é bastante semelhante ao processo de gravidez natural.

Recomenda-se, entretanto, que as mulheres evitem situações estressantes e atividades de alta intensidade e impacto. E, como cada paciente tem suas particularidades, o acompanhamento médico é indispensável.

Lembre-se que há outros aspectos além do físico que precisam ser observados. A saúde mental e o equilíbrio emocional também são importantes.

Esperando o resultado:

Esse é o momento mais aguardado. Após semanas de exames, consultas e medicamentos, é chegada a última etapa.

O exame de sangue Beta-hCG é realizado 12 ou 14 dias depois da transferência embrionária para comprovar a gravidez. 

Tente manter a calma e deixe as preocupações e novas medidas a serem tomadas para depois do resultado.

Busque estar com pessoas que te apoiam e querem o seu melhor. Em caso de dúvidas durante os procedimentos de reprodução assistida, consulte seu médico de confiança.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

gravidez e pandemia

Gravidez e infecção por Covid-19

É fundamental conhecermos os riscos e as consequências da infecção pelo Covid-19 sobre o desfecho da gestação, envolvendo inclusive os riscos de internação e mortalidade.