Menu

Recém-nascido

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

O final da gestação vai se aproximando e a insegurança da futura mamãe e do futuro papai vai aumentando, principalmente se forem marinheiros de primeira viagem. Como cuidar de um ser tão pequeno? O que pode, o que não pode? As incertezas são muitas, e normalmente geram insegurança, pois há um enorme receio de fazer algo que possa prejudicar o bebê.

O primeiro passo para criar confiança é entender que todo este receio é normal e ter calma, pois conforme o contato com o bebê vai aumentando, mamãe e papai vão se sentindo mais seguros para lidar com o bebê.

Segurar no colo alguém tão pequenino e flexível requer bastante cuidado, mas rapidamente você vai pegar o jeito. Como a musculatura do pescoço ainda não está completamente desenvolvida é preciso apoiar bem a cabeça e as costas do bebê. A melhor maneira de segurar é encaixando a cabeça dele na dobra do seu cotovelo e as costas no antebraço. Importante: nunca faça movimentos bruscos e tome cuidado para não pressionar demais, ou bater, a parte superior da cabeça da criança, também chamada de moleira, pois os ossos do crânio ainda não estão totalmente formados.

O choro indica que o bebê quer alguma coisa. Os motivos variam: fome, fralda suja, frio, calor, posição desconfortável, incômodo, irritação por barulho ou luz, estresse diante da movimentação de adultos, entre tantos outros. Com o tempo você vai aprendendo o que quer dizer cada choro, mas até lá é preciso ter calma e paciência.

As cólicas são normais e fazem parte do amadurecimento natural do sistema digestivo do pequeno. O melhor remédio é o leite materno, mas você também pode colaborar aquecendo a barriga, aconchegando o bebê e deixando-o na posição fetal para que o desconforto diminua.

O bebê mama, em média, a cada três horas, mas quem decide o intervalo necessário entre as mamadas é ele. Conforme o bebê mama, a produção de leite é estimulada, e se ajusta à necessidade de crescimento dele. Por conta disso, é muito importante que a mamãe dê o peito sempre que o bebê requisitar, pois ele sabe o quanto precisa.

Os bebês prematuros são mais sensíveis e podem precisar de estímulos adicionais para se desenvolver. Dependendo do grau e de eventuais sequelas, um acompanhamento multidisciplinar pode ser importante. Fora isso, os procedimentos são os mesmos: amamentar, dar banho, trocar etc.
Lembre-se que acima de tudo, o amor é a maior lição. A ligação dos pais com o bebê facilita o aprendizado e faz com que a confiança vá sendo estabelecida rapidamente. Mantenha a calma, preste atenção aos sinais e confie na sua intuição. Vai dar tudo certo!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Você pode se interessar:

Diferença entre FIV e ICSI

Diferença entre FIV e ICSI

Conheça, neste artigo, a diferença entre FIV x ICSI As técnicas de reprodução humana assistida são alternativas para casais que apresentam algum problema em engravidar

Síndrome da Hiperestimulação Ovariana

Síndrome da Hiperestimulação Ovariana

A Síndrome da Hiperestimulação Ovariana (SHO) é o efeito colateral mais comum da estimulação ovariana. Qualquer que seja a técnica de reprodução humana assistida, coito

Novembro Azul

Novembro Azul

Começou o Novembro Azul, um movimento internacional para sensibilizar a população sobre os perigos do câncer de próstata e estimular a prevenção e diagnóstico da

Tabagismo e Infertilidade

Tabagismo e Infertilidade

Saiba mais sobre a relação entre tabagismo e infertilidade Fumar é um péssimo hábito para a saúde, isso todos sabem. Entretanto, o que muitas pessoas