Perda recorrente da gravidez (RPL)

O que é perda recorrente da gravidez – ou aborto de repetição (RPL)?

Perda recorrente da gravidez (em inglês RPL), também chamado de aborto de repetição é o insucesso em duas ou mais gestações clínicas (Comite disciplinar da ASRM). As mulheres que experimentam são propensas a sentimentos de depressão, ansiedade, culpa e raiva, com a incidência de depressão cerca de cinco vezes maior em mulheres afetadas por RPL. Embora grande parte da literatura existente seja centrada na experiência feminina, o campo está lentamente se voltando para uma abordagem mais baseada em casais.
O reconhecimento da RPL como um problema do casal, e não apenas uma questão da mulher, é o ponto crucial deste estudo de Voss et al. Os autores usam uma pesquisa transversal para comparar o risco de ansiedade e depressão em casais que vivenciam RPL, investigar fatores de proteção e de risco e identificar diferenças nas estratégias de enfrentamento entre homens e mulheres.

RPL e depressão afetam o casal

O estudo demonstra que, embora as mulheres tenham maior probabilidade de sofrer de depressão e ansiedade, os homens que as acompanham ainda correm um risco significativo e tanto homens quanto mulheres relataram apoio social limitado. Além disso, as mulheres são mais propensas a utilizar estratégias de enfrentamento como banalização do assunto e pensamento positivo. O estudo também destaca fatores de proteção, como ter um relacionamento satisfatório e falar sobre aborto espontâneo com o parceiro. Os autores concluem que tanto homens como mulheres enfrentam repercussões significativas para a saúde mental no casos de RPL.

Os dados precisam mudar o foco das perdas recorrentes de gestação para o casal!

Embora essa conclusão seja razoável, mediante os dados apresentados, os resultados são limitados pelo uso de uma pesquisa inicialmente desenhada para uma população com infertilidade e não validada para uma coorte de pacientes com perdas recorrentes da gravidez (RPL). Além disso, os casais podem ter colaborado juntos para responder às perguntas da pesquisa e, portanto, as respostas podem não ser independentes.
Este estudo destaca o quão profundamente enraizado nosso foco na experiência feminina tem sido na literatura anterior da RPL, com a figura masculina servindo apenas como a contraparte feminina na díade do casal.

Na perda recorrente da gravidez os homens sofrem tanto quanto as mulheres!

Os autores demonstram que, embora os homens com RPL vivenciem as alterações de sua saúde mental junto com as mulheres, sua experiência é, na realidade, bastante diferente. Os homens, apesar do alto risco de ansiedade, são menos propensos a falar sobre RPL com um profissional de saúde mental treinado. Os resultados dos autores relacionam a luta masculina com o casal, descobrindo que o uso de distração e auto aperfeiçoamento pelos homens está correlacionado com o apoio social percebido limitado às mulheres, e que o aspecto mais oneroso da experiência de perdas recorrentes da gravidez masculina foi a preocupação com o impacto em sua parceira. Assim, embora a RPL tenha consequências únicas para a saúde mental dos homens, o fardo de um um agente estressante compartilhado tem um impacto recíproco no casal, em vez de criar um resultado direto na pessoa mais afetada.

A dor do casal pode passar desapercebida na perda recorrente da gestação!

Para um casal que deseja muito ter filhos, a perda recorrente da gravidez tem um impacto psicológico imenso, semelhante à dor sentida pela perda de um ente querido. Além disso, a resposta ao luto com a RPL tende a ser cumulativa. As perdas recorrentes da gravidez muitas vezes permanecem ocultas, com mínimo apoio social ou rituais para processar o evento. Além disso, os comentários do provedor que normalizam a experiência de perda da gravidez podem deixar a dor dos casais não reconhecida. Voss et al. demonstrar que o parceiro masculino não deve apenas ser reconhecido e cuidado como um indivíduo nessa luta, mas que seu papel durante esse estressor compartilhado não deve ser subestimado.
Quanto mais a sociedade entender que a RPL não é apenas um problema da mulher, mais fácil será usar uma abordagem baseada em casais para tratar suas repercussões na saúde mental.

O parecer do Comitê da ASRM

O parecer da ASRM (American Society for Reproductive Medicine) sobre a avaliação da perda recorrente da gravidez destaca o valor do aconselhamento psicológico do casal. Neste estudo, Voss et al. descobriu que a experiência de homens e mulheres que sofrem de perda recorrente da gravidez é única, mas necessariamente inter-relacionada, e deve ser tratada como tal por médicos e profissionais de saúde mental. Comunicar essas semelhanças e diferenças aos pacientes pode ajudar a construir um terreno comum e melhorar o apoio entre casais que lutam com RPL. Este estudo representa um movimento no campo para incluir ambos os parceiros na discussão em torno do RPL.

https://www.fertstert.org/article/S0015-0282(20)32506-1/fulltext

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Perda recorrente da gravidez (RPL)

O que é perda recorrente da gravidez – ou aborto de repetição (RPL)? Perda recorrente da gravidez (em inglês RPL), também chamado de aborto de

ovario policistico

Ovários Policísticos (SOMP)

Os ovários policísticos afeta 13% das mulheres em idade reprodutiva SOMP – causa comum de infertilidade Ovários policísticos – SOMP – doença endócrino-metabólica cujas características