O que é Fertilização in Vitro?

O que é fertilização in vitro? Trata-se de um método de reprodução assistida para casais que apresentam dificuldade em engravidar, sendo um tratamento com altas chances de êxito.

O procedimento consiste na fecundação do óvulo pelo espermatozoide ainda no laboratório de embriologia, em um ambiente controlado que permita o acompanhamento do desenvolvimento do embrião antes de inseri-lo no útero materno.

Há dois tipos possíveis de sêmen a serem utilizados: o do próprio casal ou de doador anônimo. Abaixo estão os casos em que são indicados os diferentes tipos.

Sêmen do casal

Indicado para:
– Mulheres com endometriose profunda ou avançada que comprometa as trompas e a qualidade dos óvulos.
– Pacientes que não tenham conseguido engravidar com procedimentos mais simples como o coito programado ou inseminação artificial.
– Mulheres com alguma complicação no aparelho reprodutor que comprometa a fecundação natural ou por inseminação artificial.
– Casos em que existe pouca produção de óvulos.

Sêmen de doador

Indicado para:
– Baixa qualidade dos espermatozoides.
– Tentativa fracassada de fecundação com esperma do casal.
– Embrião de má qualidade ou implantação mal sucedida que permita considerar o fator masculino como causa principal do insucesso da gravidez.
– Homens portadores de doenças genéticas que podem afetar os embriões.
– União homoafetiva de mulheres férteis.

O procedimento

O primeiro passo é a estimulação ovariana, importante para que existam maiores chances de fecundação, desenvolvimento do embrião e posterior implantação no útero materno. Afinal, nem todos os óvulos apresentam potencial para a fertilização in vitro.

A produção de óvulos é estimulada com auxílio de medicamentos administrados em dosagens personalizadas para cada paciente e acompanhada por ultrassonografias e checagens da dosagem hormonal durante 10 a 15 dias aproximadamente.

Os folículos, que agem como uma cápsula protetora de óvulos até que estejam maduros o suficiente, também são monitorados. Quando um número suficiente de óvulos ficam disponíveis, uma dose de hCG (coriogonadotrofina humana), hormônio responsável pela maturação dos gametas femininos, é aplicada na paciente para programar a ovulação em aproximadamente 34-36 horas após a injeção.

A etapa seguinte é a punção, necessária para que se possa obter ovócitos preparados para a fecundação. É feita em uma sala de operações com a paciente sob anestesia para que não ocorra nenhum incômodo durante o procedimento que dura, em média, 15 minutos.

Feita a punção folicular e a preparação dos espermatozoides colhidos previamente é chegada a hora de fertilizar os óvulos no laboratório de embriologia.

Na fertilização in vitro o óvulo é colocado em uma placa de cultivo com vários espermatozoides ao redor. Essa técnica difere da Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI) que basicamente caracteriza-se pela introdução de um único espermatozoide dentro do óvulo.

O cultivo embrionário

Depois de fecundado, o óvulo fica sob observação diária para que os padrões de normalidade de desenvolvimento do embrião possam ser checados e, assim, exista a garantia de um processo de divisão celular compatível com a formação de um embrião saudável.
Quando a fertilização é confirmada é chegado o momento de transferir o embrião para dentro do útero.

A transferência

A transferência em si é feita de 2 a 6 dias após a coleta dos óvulos e não é um procedimento doloroso, sendo feito sem a necessidade de anestesia, apenas um repouso de 15 minutos é recomendado quando concluído.

Quanto a quantidade de embriões a serem transferidos, varia conforme a idade da mulher:

– Até 35 anos – até 2 embriões
– entre 36 e 39 – até 3 embriões
– 40 ou mais – até 4 embriões.

Contudo, desde que se respeite os limites impostos pelo Conselho Federal de Medicina, cabe ao casal a decisão final sobre a quantidade de embriões a serem transferidos.
Nos dias subsequentes ao procedimento é aconselhável que grandes esforços físicos sejam evitados.

Congelamento de embriões

Antes de 3 anos de existência os embriões não podem ser descartados. No caso de excedência devem ser congelados, podendo ficar em criopreservação por tempo indeterminado. Entretanto, é evidente que há um custo envolvido na conservação embrionária e o casal deve arcar com tais despesas. Existe a possibilidade de doação de embriões para outro casal, que assume os custos da preservação. Embriões abandonados são doados ou descartados no fim de 3 anos.

O custo de todo procedimento varia bastante, pois depende da gravidade dos fatores de infertilidade que o casal possa ter e dos tratamentos que em consequência são necessários.

Técnicas complementares

Teste ERA – Comprovação do período de receptividade endometrial.
PGD – Estudo genético do embrião para identificar aqueles que são portadores de doenças genéticas hereditárias.
PGT – Teste genético para identificar aqueles embriões que são portadores de doenças genéticas hereditárias.
PGT-A – Teste genético indicado quando existe um risco maior de alterações genéticas não hereditárias no embrião, tais como a Síndrome de Down e outras cromossomopatias.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Causas menos conhecidas da infertilidade

Causas menos conhecidas da infertilidade

Conheça algumas causas menos conhecidas da infertilidade feminina e masculina Quando a infertilidade ocorre, hipóteses sobre as possíveis causas são levantadas pelos médicos para, em

Exercícios Físicos Seguros para Gestantes

Exercícios físicos para gestantes

Algumas dicas sobre exercícios físicos seguros para gestantes Uma rotina equilibrada de exercícios físicos durante a gestação auxilia na prevenção de diabetes e pré-eclâmpsia, além