Mulheres ainda podem engravidar após câncer

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

Apesar dos avanços no tratamento de câncer de mama, ele é o segundo tipo mais frequente no mundo e o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos da doença a cada ano. Mesmo relativamente raro antes dos 35 anos, estatísticas indicam aumento de sua incidência em todo o mundo, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer. Um dos principais temores das pacientes, que conseguem se recuperar plenamente é a mastectomia, procedimento de retirada completa do seio. “Atualmente, é possível realizar cirurgias menores, sem a remoção da mama, especialmente quando o diagnóstico é precoce”, esclarece o Dr. Flávio Garcia de Oliveira, ginecologista, obstetra e especialista em Reprodução Humana.

Entretanto, os tratamentos podem aumentar a chance de infertilidade ou esterilidade na mulher, por conta dos quimioterápicos e até mesmo da radioterapia. Por isso, existem técnicas que preservam óvulos ou sêmen e embriões, antes do tratamento contra o câncer começar.

A maioria das clínicas de reprodução humana utiliza a ciência da criobiologia com a intenção de aumentar a oportunidade de gravidez em um único ciclo de estimulação ovariana. “O principal objetivo de um programa de congelamento é causar o menor dano possível no momento em que os gametas e embriões estiverem expostos a uma temperatura muito baixa não-fisiológica. As técnicas mais utilizadas são a vitrificação e o congelamento ultrarrápido, cujas propostas são proteger a célula, evitando a total formação de cristais de gelo no seu interior”, explica o Dr. Flávio.

Além dos espermatozoides, é possível congelar os óvulos da mulher. “A habilidade de congelar oócitos humanos não fertilizados pode ser inestimável em alguns casos. Uma jovem mulher em tratamento de radioterapia, ou que precise perder os ovários, pode ser muito beneficiada. Similarmente, uma mulher mais velha, querendo estocar múltiplos oócitos antes de perder a função ovariana, pode ser ajudada por este procedimento”, finaliza o especialista.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Gravidez após os 40 anos

Gravidez após os 40 anos

Conheça mais sobre os detalhes da gravidez depois dos 40 anos Nas últimas décadas o papel da mulher na sociedade mudou de maneira considerável. Os