Infertilidade Masculina

A infertilidade masculina é o principal obstáculo para a gravidez em cerca de 40% dos casais inférteis. Várias doenças do sistema reprodutor masculino podem alterar os parâmetros normais do sêmen ejaculado e impedir a reprodução.

Para verificar se a causa da infertilidade masculina é mesmo devida a um fator masculino podem ser feitos vários exames, como o espermograma, que é o nome dado à análise do sêmen ejaculado.

O homem, após ficar 48 horas sem ejacular, colhe uma amostra de seu sêmen no laboratório ou em casa. Este sêmen é analisado no microscópio para que se determine a concentração dos espermatozoides, sua motilidade (movimento) e morfologia (formato).

O espermograma normal
• Concentração: deve ser acima de 20 milhões por mililitro de sêmen
• Motilidade: deve ser acima de 50% de espermatozóides móveis ou 25% do tipo “A”
(os espermatozóides do tipo “A” são aqueles que possuem um movimento direcional rápido e linear, como uma “flecha que caminha para o alvo”)
• Morfologia: 14% ou mais de espermatozóides normais, segundo critérios de Kruger ou 60% ou mais segundo a Organização Mundial de Saúde
• Vitalidade: 75% ou mais de espermatozóides vivos

Entre as doenças mais importantes causadoras de infertilidade masculina estão as infecções e suas conseqüências (uretrites, orquites, epididimites e prostatites), a varicocele (varizes nos testículos) e os problemas imunológicos. Todas elas podem levar a um maior ou menor grau de oligoastenospermia (diminuição da concentração e da motilidade dos espermatozoides) ou mesmo azoospermia (ausência de espermatozoides).

Tratamentos

Infecções: prescrição de antibióticos.

Varicocele (presença de varizes no escroto) ou obstrução nos ductos que conduzem os espermatozoides: correção cirúrgica.

Baixa produção ou ausência de espermatozoides: hormônios ou inseminação intra-uterina.

fertilização in vitro(FIV) e a técnica de injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) também podem ser ótimas alternativas de tratamento.

Alguns casos raros de infertilidade masculina podem não responder ao tratamento. Se isso ocorrer, deve-se discutir a possibilidade de usar espermatozoides de doadores anônimos ou outras opções.

Importante: De cada 100 homens, 96 possuem espermatozoides no sêmen ejaculado e 4 não possuem. Destes, 3 possuem espermatozoides no epidídimo ou testículo. Somente 1 em cada 100 homens vai precisar recorrer a bancos de sêmen.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Gravidez após os 40 anos

Gravidez após os 40 anos

Conheça mais sobre os detalhes da gravidez depois dos 40 anos Nas últimas décadas o papel da mulher na sociedade mudou de maneira considerável. Os