Infertilidade e Mioma: Quando a chance de engravidar é reduzida?

Infertilidade e Mioma

Grande parte das queixas que atendemos atualmente em nossa Clínica é a dificuldade em engravidar por conta da presença de um mioma. Por um fato simples: é frequente em mulheres acima dos 30 anos, é comum encontrar nódulos de miomas em pacientes com infertilidade ou abortamentos de repetição

Em primeiro lugar, é importante enfatizar que os miomas são tumores benignos – ou seja, não se transformam em câncer – e que atinge mulheres entre 30 e 50 anos, sendo o maior responsável por cirurgias de histerectomia, para a retirada do útero. O principal sintoma é o aumento do fluxo menstrual, com sangramentos mais intensos e mais longos que o normal.

Os miomas podem aparecer em diferentes partes do útero, e os nomes desses tumores são baseados na sua localização.

Mioma subseroso: Localizado na parede externa do útero. Em geral, esse tipo de mioma só causa problemas quando exerce pressão sobre outros órgãos, como a bexiga ou o intestino.

Mioma intramural: O tipo mais comum. Ele fica localizado dentro da parede muscular. Embora a maior parte dos casos seja assintomática, algumas mulheres podem perceber alterações no fluxo menstrual em decorrência da presença do mioma.

Mioma submucoso: Esse tipo fica alojado no revestimento interno do útero e, a depender de seu volume, ocupa uma grande parte da cavidade do órgão. É o tipo de mioma que está mais associado a sintomas desagradáveis.

Em alguns casos mais raros, pode acontecer de o mioma ficar interligado ao útero por meio de uma haste de irrigação, sendo chamado de mioma pediculado, ou então se alojar no canal cervical e entrar em parturição, sendo exteriorizado para o canal vaginal.

Principais sintomas do mioma 

Os miomas uterinos provocam uma série de sintomatologias que podem impactar ou não a qualidade de vida das mulheres, como por exemplo:

  • Aumento do fluxo, mais prolongado, com a presença de coágulos sanguíneos;
  • Dor e incômodos na região pélvica;
  • Dispareunia: Dor durante as relação sexual; 
  • Cólicas intensas;
  • Inchaço abdominal;
  • Dificuldade em urinar ou constipação intestinal crônica;
  • Aumento da frequência para urinar;
  • Anemia por deficiência no ferro, por conta do fluxo abundante;

Além disso, mulheres com a doença podem ter dificuldade para engravidar. Estima-se que os miomas uterinos estejam ligados a até 10% dos casos de infertilidade feminina.

A origem do mioma é incerta, porém sabe-se que são tumores estrogênio-dependentes, que tendem a diminuir muito após a menopausa. A doença também é mais comumente encontrada em mulheres negras, obesas, hipertensas, com histórico familiar de miomas, além daquelas que tiveram a primeira menstruação mais jovem e as que foram mães mais tarde.

Os miomas uterinos, portanto, nem sempre causam infertilidade. Quando isso acontece, é possível tratar a doença e, caso necessário, utilizar técnicas de reprodução assistida. 

Técnicas de reprodução humana podem ajudar?

Quando ainda é desejo da paciente ser mãe e não obteve sucesso mesmo após a miomectomia, o ideal é recorrer a técnicas de reprodução assistida. A principal delas é a fertilização in vitro (FIV), onde a mulher passa por um tratamento de estimulação ovariana, utilizando hormônios injetáveis.

Após essa etapa, os óvulos e espermatozoides são coletados para fertilização que acontece no laboratório. Os embriões que foram formados nessa fase ficam entre 3 e 5 dias em cultivo in vitro, para que sejam transferidos para o útero da mulher, em suas melhores condições.

Para a transferência embrionária é se suma importância que a cavidade uterina esteja em ótimas condições, favorecendo a implantação do embrião.

Por isso, o ideal é que a mulher realize a miomectomia antes da FIV, garantindo que não haja deformidades, coágulos ou outras alterações que são característicos dos miomas.

Caso tenha dúvidas, agende sua consulta, estamos sempre à disposição para te atender da melhor forma possível..

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Dicas para tentar engravidar

A Concepção: 5 dicas para engravidar

Neste artigo iremos abordar temas relacionados à concepção e compartilharemos 5 dicas para engravidar. Quando aprendemos pela primeira vez sobre a concepção na educação sexual,

Os cuidados depois da cesárea

Os cuidados depois da cesárea

O parto é um momento emocionante. Você finalmente conhece o bebê que estava crescendo dentro de você nos últimos 9 meses. No entanto, ter um