Infertilidade e Seleção Natural

As técnicas de Reprodução Assistida são utilizadas para auxiliar os casais que sofrem de algum tipo de infertilidade. Porém, uma vez que a infertilidade é um tipo de seleção natural para prevenir a geração de bebês com doenças genéticas, a utilização destas técnicas pode ser um risco aumentado para a transmissão de algumas doenças genéticas que estariam bloqueadas pela infertilidade.
Para diminuir as chances de desenvolver um embrião portando algum tipo de síndrome, é possível contar com a ajuda de ferramentas como o PGD (diagnóstico genético pré-implantacional), que é uma forma precoce de diagnóstico pré-natal que se destina a prevenção de doenças genéticas através da seleção de embriões. Atualmente, embora seja um número ainda pequeno, já é possível detectar cerca de 130 doenças genéticas a partir da análise de 9 cromossomos, incluindo os sexuais X e Y.

As principais indicações do PGD são os casos de portadores de desordens genéticas e anomalias cromossômicas, mulheres com idade avançada, casais com repetidas falhas de implantação em ciclos de FIV e casais com abortamentos repetidos. A utilização do PGD procura detectar as moléstias contraídas geneticamente para evitar o aborto após a implantação no útero da mulher.

No Brasil não há legislação a respeito. Entretanto, o parecer do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo n° 95.108/2003, em virtude de consulta, não proíbe o procedimento.

Com a finalidade de seleção, técnicas como o PGD podem gerar grandes discussões, pois podem ser encaradas como eugenia. Ou seja, escolha dos melhores. A seleção sexual deliberada é proibida. A escolha do sexo realizada através dos cromossomos X e Y pode ser utilizada somente para seleção de embriões que podem ter doenças específicas de determinado sexo, como é o caso da hemofilia que é uma dificuldade no processo de coagulação sanguínea que atinge mais indivíduos do sexo masculino; e da Síndrome de Turner, que atinge somente as mulheres e tem como principal característica o infantilismo sexual e não desenvolvimento das capacidades reprodutivas.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

COVID-19-e-a-Medicina-Reprodutiva

COVID-19 e a Medicina Reprodutiva

Covid-19 e a Medicina Reprodutiva – entenda os riscos de engravidar na pandemia A COVID-19 e a medicina reprodutiva nos posiciona a resumir os principais

2 testes da reserva ovariana

2 testes da reserva ovariana

2 testes da reserva ovariana que são importantes marcadores do número de óvulos nos ovários Os 2 testes da reserva ovariana mais realizados atualmente são: