Gestação Gemelar: Mitos e Verdades

Você verá nesse artigo alguns esclarecimentos sobre gestação gemelar

É normal que uma gestação gemelar, seja de univitelinos ou bivitelinos, venha acompanhada de dúvidas e inseguranças.

Por isso resolvemos responder algumas perguntas recorrentes sobre gravidez múltipla no intuito de tranquilizar futuras mamães, papais e familiares.

Os sintomas da gravidez, como náuseas e inchaços, e inclusive as complicações – diabetes e hipertensão – são maiores em gestações gemelares.

Verdade. Os sintomas clássicos da gravidez são mais intensos, afinal o organismo produz níveis mais altos de hormônios.

Quanto às complicações, é fundamental redobrar os cuidados quando a mulher está grávida de gêmeos, pois existem mais chances da gestante desenvolver diabetes gestacional e pressão alta. É possível também que uma das bolsas sofra uma ruptura precoce.

Portanto, o acompanhamento obstétrico tem grande importância e não deve ser negligenciado nessas circunstâncias.

Os partos de gêmeos sempre são prematuros.

Mito. Não são todas as gestações gemelares que chegam ao fim antes das 37 semanas.

O pré-natal bem planejado e com orientações acertadas sobre alimentação saudável e controle do peso muitas vezes é capaz de evitar nascimentos prematuros.

Entretanto, quando trata-se de trigêmeos, são raríssimas exceções em que o ciclo completo da gravidez consegue ser concluído.

Durante uma gravidez gemelar o consumo diário de calorias deve ser maior.

Verdade. Porém não é o caso de ingerir comida por dois, afinal, a proporção ideal da dieta sinalizada pelos especialistas não é essa.

O cálculo de calorias a serem consumidas é, de fato, diferente. Deve ser maior que o recomendado em uma gestação de apenas um bebê, pois são duas placentas ou, no caso de univitelinos, uma bem maior.

É indispensável o auxílio e supervisão do médico obstetra e de profissionais nutricionistas para indicar qual é a forma correta de alimentação e o ganho de peso em cada fase de uma gravidez de gêmeos.

Gêmeos não podem nascer de parto normal.

Mito. Desde que não exista nenhuma complicação com os bebês e a gestante, é possível realizar o parto normal.

É fundamental que os bebês estejam na posição correta para que o parto vaginal possa ocorrer de forma tranquila. Caso contrário, o sofrimento fetal pode acontecer se um dos irmãos tiver que esperar pela saída do outro para também poder sair.

As chances de acontecer uma gestação gemelar são maiores quando há histórico familiar.

Verdade. Principalmente quando se trata dos parentes diretos da mãe: avós, irmãos dos avós, irmãs ou irmãos, tias e tios.

O lado do pai, teoricamente, não está relacionado. Entretanto, na prática, é possível que haja alguma influência.

O parto de gêmeos é mais complicado.

Verdade. Por se tratar de dois bebês, ou mais, a equipe médica precisa estar mais atenta ainda.

O médico precisa ser ágil na retirada dos fetos e o sangramento uterino da mãe geralmente é mais intenso depois do parto. Afinal, exige-se bastante do órgão, que costuma necessitar de mais tempo para completar sua contração.

Em uma gestação gemelar é preciso fazer mais consultas e exames durante o pré-natal.

Verdade. Uma mulher grávida de gêmeos deve ir ao consultório e realizar exames com uma frequência maior do que mães que estão esperando apenas um bebê.

A gravidez gemelar envolve mais riscos porque a biologia da mulher evoluiu para gestar somente um feto. Essa questão fica evidente quando consideramos que nossos ancestrais tornaram-se bípedes.

No caso de gêmeos univitelinos, a atenção dispensada deve ser ainda maior devido a possibilidade de haver uma transferência feto-fetal. Isso ocorre quando um dos bebês passa a “pegar” a alimentação do outro graças à vascularização placentária que acaba por favorecer um dos fetos.

É possível realizar uma cirurgia para equilibrar a distribuição das artérias e, dessa forma, proporcionar paridade na alimentação dos bebês.

A probabilidade de ter gêmeos está relacionada com a idade da mulher.

Verdade. Conforme a idade avança, aumentam as chances da mulher ovular duas vezes no mesmo mês. Outra questão é a quantidade de mulheres que, não estando mais no período fértil, buscam auxílio nas técnicas de reprodução assistida.

As técnicas de reprodução assistida sempre geram gestações gemelares.

Mito. O número de embriões transferidos para o útero é o fator primordial para que haja maiores chances de gestar gêmeos. No caso de dois ou três embriões serem inseridos, é evidente que as probabilidades de uma gestação gemelar ocorrer são maiores.

É preciso também levar em consideração a possibilidade de divisão embrionária espontânea. Entretanto, esse fenômeno pode ocorrer tanto na reprodução assistida quanto em uma gravidez decorrente de uma relação sexual sem assistência alguma.

Esperamos ter ajudado a esclarecer alguns aspectos relacionados à gestação gemelar. Procure seu obstetra de confiança e converse com ele sobre qualquer dúvida que possa surgir. Faça o acompanhamento pré-natal e siga as recomendações, assim, é provável que a gravidez ocorra com mais tranquilidade.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Gravidez após os 40 anos

Gravidez após os 40 anos

Conheça mais sobre os detalhes da gravidez depois dos 40 anos Nas últimas décadas o papel da mulher na sociedade mudou de maneira considerável. Os