Ecocardiograma Fetal: Qual a importância deste exame e por que realizá-lo no pré-natal?

Ecocardiograma Fetal. Você sabe da importância desse exame?

Dra. Claudia R. P. de Castro Grau

O ecocardiograma fetal nada mais é do que um ultrassom, idêntico ao que a gestante faz de rotina durante a gestação, indolor, sem nenhum tipo de risco para a gestante ou feto. Ele é realizado por um médico especialista, cardiologista, ecocardiografista fetal e pediátrico e tem o objetivo de identificar problemas no coração do feto.
Deve ser realizado a partir da 18° semana de idade gestacional, sendo o período ideal aquele entre 24 a 28 semanas (entre o sexto e sétimo mês) de gravidez. Sua importância está relacionada à alta incidência de malformação congênita no coração do feto, já que 1 em cada 100 bebês nasce com este tipo de problema.
Até há pouco tempo, com o objetivo de prevenir, monitorizar e orientar as futuras mamães, este exame somente era realizado no pré-natal em algumas situações específicas decorrentes de aumento de risco de problemas cardíacos, tais como:
– idade materna superior a 35 anos;
– mães que tiveram outros filhos ou familiares próximos com cardiopatia congênita;
– gestação múltipla;
– suspeita de síndrome ou qualquer tipo de alteração no ultra-som morfológico;
– mães portadoras de alguns tipos de doenças como diabetes, lúpus ou que tiveram durante a gravidez rubéola, toxoplasmose e casos de exposição materna a agentes teratogênicos (drogas, álcool e alguns medicamentos).

Nos dias de hoje, o ecocardiograma fetal é um exame que deve ser incluído na rotina pré-natal, baseado no fato de que 90% dos casos de bebês que nascem com algum tipo de problema do coração não apresentam nenhum tipo de fator de risco identificado.
Portanto, é fundamental salientar que sua importância não está apenas relacionada ao diagnóstico precoce do problema no coração do feto, mas também a necessidade de acompanhá-lo durante toda a gravidez e realizar o planejamento do parto em maternidade com estrutura adequada (UTI Neonatal, equipe especializada com cardiologista, ecocardiografista e cirurgião cardíaco pediátrico), com o objetivo principal de reduzir o índice de mortalidade e de complicações secundárias decorrentes da presença de cardiopatias congênitas.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Gravidez após os 40 anos

Gravidez após os 40 anos

Conheça mais sobre os detalhes da gravidez depois dos 40 anos Nas últimas décadas o papel da mulher na sociedade mudou de maneira considerável. Os