Menu

É possível ter filhos após a laqueadura?

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

Sim, as mulheres laqueadas podem voltar ter filhos. Após passarem pelo procedimento que as deixam inférteis, muitas mulheres se arrependem e têm o desejo de voltar a ter filhos.  O arrependimento, na maioria dos casos, acontece quando elas trocam de parceiro e desejam engravidar novamente.

A medicina reprodutiva, felizmente,  oferece cada vez mais sucesso nos tratamentos que buscam nova gravidez em mulheres com laqueadura tubária. Para isso existem duas possibilidades: desfazer a laqueadura ou realizar o tratamento de Fertilização in Vitro (FIV), com ICSI Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides).

Desfazer a laqueadura é um processo demorado e apresenta poucas chances de sucesso de gravidez. Por isso, o mais recomendado é o tratamento de Fertilização in Vitro (FIV) com a técnica de ICSI, pois as possibilidades de gestação são mais altas quando comparado ao processo de reversão.

Uma consulta com um médico especializado pode avaliar qual o melhor procedimento tomar em cada caso.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Você pode se interessar:

Síndrome da Hiperestimulação Ovariana

Síndrome da Hiperestimulação Ovariana

A Síndrome da Hiperestimulação Ovariana (SHO) é o efeito colateral mais comum da estimulação ovariana. Qualquer que seja a técnica de reprodução humana assistida, coito

Novembro Azul

Novembro Azul

Começou o Novembro Azul, um movimento internacional para sensibilizar a população sobre os perigos do câncer de próstata e estimular a prevenção e diagnóstico da

Tabagismo e Infertilidade

Tabagismo e Infertilidade

Saiba mais sobre a relação entre tabagismo e infertilidade Fumar é um péssimo hábito para a saúde, isso todos sabem. Entretanto, o que muitas pessoas

Cálculo de Ovulação

Técnicas para cálculo de ovulação

Cálculo de ovulação: conheça algumas técnicas para aumentar as chances de engravidar Para a ciência, um casal é considerado infértil quando, depois de um ano