Menu

Durante a gestação, ligue o som!

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

Futuros papais me mamães, aumentem o som: seu bebê pode ouvir o que se passa fora da barriga! Sim, é possível para o pequeno escutar e apreciar o som exterior ao corpo da mulher – o que o incentiva a se desenvolver e faz muito bem à gestação.

A partir da 20ª semana de gestação, o pequenino já consegue perceber o que acontece “lá fora” contando com um bom condutor de som natural – o líquido amniótico. A música, nesse sentido, surge como um instrumento de contato poderoso. Ela é capaz de acalmar o bebê e reforça seu laço com os pais.

É possível notar se a música foi aprovada ou não pelo bebê, dependendo de seus movimentos dentro da barriga. Se o pequeno permanecer tranquilo, bom sinal! Mas isso não significa que os pais só devam colocar músicas clássicas ou cantigas de ninar para tocar. O aconselhável é deixar tocar aquilo que agrada a eles, respeitando a criança que está sendo gerada. Cantar para o pequenino também é estimulante.

Estudos apontam para a importância da música não somente no desenvolvimento dos filhos, como também em uma gestação mais sadia para as mamães. Ouvir canções diariamente auxilia na redução dos sintomas de depressão, ansiedade e estresse, que frequentemente acometem mulheres grávidas.
Não faltam motivos para mamães e papais investirem na música como terapia de gestação. Agora, é só deixar o som rolar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Você pode se interessar:

Cálculo de Ovulação

Técnicas para cálculo de ovulação

Cálculo de ovulação: conheça algumas técnicas para aumentar as chances de engravidar Para a ciência, um casal é considerado infértil quando, depois de um ano

Outubro Rosa

Outubro Rosa

Hoje começa o Outubro Rosa! Vocês sabem onde surgiu a ideia dessa celebração? O motivo dela existir? O ano era 1990 e a Fundação Susan

Miomas Intramurais

Miomas Intramurais

Os miomas intramurais são uma espécie de tumor benigno que se instalam e crescem nas paredes internas do útero. Na maioria dos casos não apresentam