Descobrindo a Lateralidade da Criança

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

Desde o momento em que o bebê segura pela primeira vez um objeto, a curiosidade por parte dos pais em saber se o pequeno será destro ou canhoto é natural. E, observando a criança, fica difícil chegar a uma resposta: ela mexe com seus brinquedos com as duas mãos, demonstrando habilidade tanto do lado esquerdo como do direito. Como saber, então, qual é a lateralidade do pequeno?

A pergunta apenas poderá ser respondida após alguns meses de vida do bebê. Isso porque antes desse período ele é ambidestro, ou seja, é habilidoso com ambas as mãos. É quando atinge aproximadamente os dois anos de idade que a criança irá demonstrar sua predileção inicial por uma das mãos, ainda que esteja em desenvolvimento. Mas é somente entre os seis e os oito anos, época na qual os baixinhos são alfabetizados e desempenham mais atividades escolares, que irá ocorrer a definição dessa predominância.

Ter dúvidas quanto aos fatores que influenciam na lateralidade de cada um não é exclusividade dos papais. Mesmo os estudiosos não possuem uma resposta definitiva para o tema. A maior parte das pesquisas, entretanto, aponta para causas genéticas, o que significa que pais canhotos têm mais chances de ter filhos canhotos, e vice-versa. Ainda, uma criança pode ser ambidestra (dominância espontânea nos dois lados do corpo) ou ter sua lateralidade cruzada (quando é canhoto de mãos e destro de pés, por exemplo).

Independente da predominância lateral da criança, é importante respeitá-la. Crianças canhotas que são forçadas a utilizar a mão direita sofrem desnecessariamente, tendo dificuldades de alfabetização e problemas de orientação espacial, prejuízos também sofridos por ambidestros ou crianças com lateralidade cruzada. Nesses dois últimos casos, é indicado o acompanhamento de um especialista.

Aos pais, cabe a função de observar o desenvolvimento da lateralidade da criança sem interferências. Sozinha, ela é capaz de descobrir pouco a pouco qual é seu lado mais hábil – saudável é incentivar esse caminho.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

COVID-19-e-a-Medicina-Reprodutiva

COVID-19 e a Medicina Reprodutiva

Covid-19 e a Medicina Reprodutiva – entenda os riscos de engravidar na pandemia A COVID-19 e a medicina reprodutiva nos posiciona a resumir os principais

2 testes da reserva ovariana

2 testes da reserva ovariana

2 testes da reserva ovariana que são importantes marcadores do número de óvulos nos ovários Os 2 testes da reserva ovariana mais realizados atualmente são: