Tratamentos de Fertilidade – A Caminho da Concepção

Tratamentos de fertilidade. Vamos conversar sobre eles?

Olá! Esta é a primeira edição do boletim informativo “ABC da Fertilidade”.
Você vai receber edições mensais no seu e-mail ou pode retirar o seu exemplar na clínica.

A gravidez normalmente é o maior desejo de muitos casais, mas como nem todos podem gerar seus filhos sozinhos existem os tratamentos de fertilidade. Mas quais são os tratamentos existentes? Qual a diferença entre esterilidade e infertilidade? Quais as causas que podem atrapalhar a concepção? Como ela acontece naturalmente? Com a minha experiência e com os avanços da medicina, espero poder ajudá-los a realizar o sonho de ser Pai e Mãe.

Até o nascimento do bebê estarei sempre ao lado de vocês, orientando e apoiando, afinal temos um caminho a percorrer enquanto o bebê não chega.

Então, vamos começar?
Boa leitura!

Para que uma gravidez ocorra é necessário que o aparelho reprodutor do homem e da mulher sejam anatômica e funcionalmente normais.

No 14º dia do ciclo menstrual (no caso de mulheres com ciclos de 28 dias), um óvulo é liberado e ocorre a ovulação. Quando mais de um óvulo é liberado, o que ocorre raramente, pode acontecer a gestação múltipla. A partir deste momento, a ação dos hormônios produzidos pelos ovários faz com que o útero sofra modificações para receber o futuro embrião.

Quando o óvulo é fecundado por um espermatozoide, ocorre a fecundação. A partir daí, o embrião deve ter a capacidade de implantar-se, enquanto o endométrio (membrana que reveste a cavidade uterina) deve oferecer condições para a implantação.

De cada 100 casais, 80 conseguem “engravidar” após manter relações sexuais sem contraceptivos durante 12 meses. No caso da gravidez não ocorrer após este período, o casal pode recorrer a um especialista em reprodução humana que vai indicar alguns exames e verificar qual fator está atrapalhando a gravidez. Os tratamentos de fertilidade podem ser de grande auxílio para resolver essa questão.

Exames mais comuns:

Mulheres:
Exames hormonais.
Avaliação clínica dos ciclos menstruais.
Ultrassonografia para verificar o tamanho do ovário e a presença ou não de cistos.

Homens:
Exame clínico dos testículos e pênis.
Avaliação da função sexual.
Espermograma para verificar a quantidade, qualidade e a forma dos espermatozoides.

Vale lembrar que existe uma grande diferença entre esterilidade e infertilidade.

A esterilidade se relaciona com a incapacidade absoluta de reproduzir naturalmente, e a infertilidade se relaciona à falta de gestação natural após um período de 12 a 18 meses de tentativas do casal sem nenhum tipo de prevenção.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Gravidez após os 40 anos

Gravidez após os 40 anos

Conheça mais sobre os detalhes da gravidez depois dos 40 anos Nas últimas décadas o papel da mulher na sociedade mudou de maneira considerável. Os