Aderências Pélvicas: Impacto sobre sua fertilidade

Aderências Pélvicas: Impacto sobre sua fertilidade

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

O que são as aderências?

Aderências são um tipo de tecido cicatricial que pode bloquear ou distorcer as tubas uterinas. Tudo o que conduz a uma resposta inflamatória, tal como uma cirurgia, a endometriose, ou infecção (incluindo doença inflamatória pélvica) pode levar à formação de aderências.

Onde se formam as Aderências?

Aderências pélvicas podem ser encontradas entre quaisquer superfícies dos tecidos na cavidade pélvica. Estes incluem o útero, tubas uterinas, ovários, intestinos e bexiga. As aderências também podem ser encontradas no interior das tubas. A endometriose ou cirurgia de trompas podem causar aderências no interior da tuba, na sua superfície externa, ou mesmo nas extremidades, chamados de “fímbrias”. Quaisquer aderências que bloqueiam ou distorcem a tuba podem levar à infertilidade ou aumentar a chance de uma gravidez ectópica.

Aderências podem ser removidas?

A remoção de aderências pode ser realizada utilizando laparoscopia ou laparotomia com técnicas tradicionais ou de microcirurgia. Estudos têm mostrado que a remoção de aderências pode reduzir a dor e pode, potencialmente, melhorar a possibilidade de gravidez natural, em comparação com a ausência de tratamento. 

Quais os tipos de cirurgias podem aumentar o risco de formação de aderências?

A miomectomia (cirurgia para remover miomas), cirurgia tubária (para remover uma gravidez ectópica), cirurgia no ovário (para remover os cistos) e cirurgia para endometriose podem causar aderências. Mesmo a cirurgia para remover aderências pode levar a novas aderências. A cirurgia laparoscópica (cirurgia feita através de várias pequenas incisões usando uma câmera) tem menos possibilidades de provocar formação de aderências do que a laparotomia (cirurgia através de uma incisão maior sem a barriga aberta). Os procedimentos de diagnóstico, que envolvem apenas uma inspeção visual dos órgãos, como uma histeroscopia diagnóstica ou laparoscopia diagnóstica, raramente levam a formação de novas aderências.

As pacientes devem estar cientes do tipo de procedimento (laparotomia vs laparoscopia), e o tipo de técnicas a serem utilizadas durante a cirurgia. Aqui estão algumas perguntas a fazer ao seu médico:

Que tipo de cirurgia será melhor para o meu caso?

Serão administrados antibióticos pré-operatórios para reduzir o risco de infecção?

Qual é o impacto potencial de aderências sobre a fertilidade?

O que vai ser feito no momento da cirurgia para minimizar os riscos de desenvolvimento de aderências?

Você pode se interessar:

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter