A Hora do Parto: Parto Cesáreo

Dr. Flávio Garcia de Oliveira

O parto cesáreo poderá ser realizado a qualquer momento após a maturidade do bebê. Isso acontece, de modo geral, após a 37ª semana de gestação. É comum marcarmos uma hora específica para fazer a cesárea. Outras vezes, ela é realizada na vigência do trabalho de parto. É uma grande dúvida da gestante se, uma vez começado o parto, ainda dá para fazer cesárea. Não se preocupe com esse fato. Contanto que o bebê não esteja nascendo, ainda é possível fazermos a cesárea, desde que indicada. Há também os casos em que a cesárea é marcada e a paciente entra em trabalho de parto antes da data. Também não há problemas com isso. No máximo um contratempo com relação aos horários.

A cesárea é um procedimento cirúrgico que envolve uma incisão no nível do abdome para a retirada do bebê. Essa incisão (o corte) é feita de maneira transversal, dois dedos acima da sínfise púbica, na região dos pelos púbicos. O corte possui, em média, de 10 a 15 cm de extensão e, após algumas semanas, torna-se difícil de ser visualizado, devido ao crescimento dos pelos pubianos. Como procedimento cirúrgico, a cesárea sempre é precedida de uma anestesia. O tipo de anestesia pode ser peridural ( o anestésico é injetado por fora da espinha) ou intradural ( o anestésico é injetado dentro da espinha), e é realizada através de uma picadinha nas costas um pouco acima da linha da cintura. Uma pergunta frequente da grávida é: “Qual tipo de anestesia devo tomar?”. Qualquer um dos dois tipos de anestesia dá muita segurança ao obstetra para realizar o procedimento sem que a paciente sinta dor. Na realidade, o tipo de anestesia é uma preferência do anestesista. O ideal é que ele aplique a anestesia em que tem mais experiência.

A Hora do Parto Cesárea

Após a anestesia, a gestante pode ser colocada de barriga para cima. Nesse momento, ela pode estar sentindo as pernas fracas e formigando, ou pode senti-las esquentando – é o efeito do anestésico. Algumas pacientes sentem um pouco de mal-estar nesse momento por causa da posição, já que, de barriga para cima, o útero comprime a veia cava, podendo fazer a pressão cair um pouco. Não se alarme, pois esse estado é passageiro e vai desaparecer assim que o bebê nascer.

Uma vez anestesiada, a pele do abdome é limpa com soluções antissépticas e os campos cirúrgicos são colocados para isolar a região a ser cortada. O obstetra corta a pele, o tecido subcutâneo, a capa dos músculos, os músculos, chegando ao peritônio (uma membrana que protege o abdome por dentro).

Após a abertura do peritônio da parede abdominal, finalmente é aberto o útero, também de forma transversal. Com o útero aberto, é feito um pequeno furo na bolsa das águas (se ela já não houver se rompido) para escoar o líquido que envolve o bebê.

Depois, coloca-se a mão (ou uma válvula especial) entre a parte do bebê que vai sair (cabeça, se o bebê estiver de cabeça para baixo, ou bumbum, se o bebê estiver sentado) e o útero aberto, para fazer com que a cabeça (ou bumbum) vá escorregando em direção à abertura feita anteriormente, enquanto pressiona-se o fundo do útero para empurrar o bebê para fora. Na verdade, ele faz um trajeto semelhante ao trajeto em J do parto normal ao sair pelo corte da cesárea.
Assim que nasce, o bebê é acolhido pelo obstetra e os mesmos procedimentos já discutidos em “parto normal” são realizados com o bebê. É feita a retirada manual da placenta, a limpeza da cavidade uterina e, em seguida, suturam-se (fecham- se) todas as camadas abertas para chegar até o útero.

A cesárea é um procedimento que demora cerca de uma hora. Depois dela, também há um período de observação de uma hora antes de a paciente ir para o quarto. Devido aos novos tipos de anestesia e ás novas drogas para controle da dor (por exemplo, o uso da morfina no espaço dural ou peridural), há necessidade de colocação de uma sonda na bexiga, pois, por um período de 12 horas, é provável que a paciente não consiga urinar espontaneamente.

Por outro lado, o desconforto da sonda é superado pela quase ausência de dor nas primeiras 24 horas pós-cesárea. É muito importante que você descanse nas primeiras seis horas pós-cesárea, mas pode haver uma grande festa esperando por você no seu quarto…

Você encontra essa e outras informações no livro: “BEBÊ A BORDO”

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

As Fases do Leite Materno

As Fases do Leite Materno

Neste artigo você pode compreender melhor as fases do leite materno A maioria das pessoas sabe dos múltiplos benefícios da amamentação, que incluem o estímulo

O Maravilhoso Clitóris

O Maravilhoso Clitóris

Conheça nesse artigo as possibilidades e vantagens de explorar o clitóris. As mulheres possuem em seu corpo o único órgão feito exclusivamente para o prazer.

Gravidez após os 40 anos

Gravidez após os 40 anos

Conheça mais sobre os detalhes da gravidez depois dos 40 anos Nas últimas décadas o papel da mulher na sociedade mudou de maneira considerável. Os