5 coisas que as mulheres precisam saber sobre infertilidade

A infertilidade assombra muitas pessoas que desejam ter filhos. Estatísticas apontam que 15% da população mundial tenha algum problema de fertilidade.

Especialistas consideram o período de um ano de tentativas constantes tempo suficiente para que alguém consiga engravidar. Passado esse tempo, o indicado é buscar auxílio de um especialista em reprodução humana. Nos casos em que a mulher tenha mais de 35 anos, o ideal é que não espere mais de seis meses para procurar ajuda.

A informação é um ponto chave para que as pessoas compreendam melhor as questões que cercam esse assunto que, muitas vezes, é considerado um tabu principalmente para as mulheres.

Por isso, listamos 5 fatos sobre a infertilidade que valem ser compartilhados.

1. Quando a mulher não consegue engravidar, não quer dizer que o problema de infertilidade seja apenas dela.

Geralmente, um casal divide a “responsabilidade” da infertilidade. Em torno de 35% das vezes o problema está com o homem, e outras 35% com a mulher. Os 30% restantes são referentes à infertilidade sem causa aparente.

Ainda existe a possibilidade, mesmo que rara, do motivo de não ocorrer a gestação não estar relacionado com nenhum dos dois individualmente, e sim um tipo de incompatibilidade do casal. De qualquer forma é fundamental que o casal esteja disposto a encarar juntos a fase de tratamento, apoiando um ao outro.

2. Conheça seu corpo.

Preste atenção no funcionamento do seu organismo e conheça as nuances do seu corpo, pois as chances engravidar vão diminuindo conforme a idade avança.

A probabilidade de uma mulher de vinte e poucos anos engravidar varia entre 20% e 25%, todo mês. Ao completar 30 anos, as chances diminuem para 15% e depois dos 35 anos são de apenas 10%.

Mesmo com essa “corrida” contra o tempo, não há necessidade para se desesperar. Tenha calma, perceba seus ciclos menstruais e fique atenta à ovulação. É nesse período que há maiores chances de engravidar.

3. Praticar sexo com responsabilidade previne alguns problemas de fertilidade.

A obstrução das trompas pode ser causada por endometriose e aderências pós-cirúrgicas. Entretanto, muitas vezes, elas são causadas por infecções pélvicas que podem ser prevenidas com o uso de preservativos. Essa é a maneira mais eficiente de não contrair doenças sexualmente transmissíveis e evitar suas complicações, entre elas a infertilidade.

4. Mulheres com 35 anos ou mais e que estejam tentando engravidar há 6 meses, devem procurar ajuda sem demora.

Reconhecer que está com problema é o primeiro passo. E não é fácil. Ainda mais nesse período da vida que costuma ser bastante atribulado, seja no âmbito profissional ou pessoal. Lembre-se: o melhor é identificar e tratar o problema o mais cedo possível para que as chances de engravidar sejam maiores. A medicina reprodutiva oferece muitas técnicas e recursos para que o sonho de ter um filho possa ser realizado.

5. Mulheres não precisam sofrer em silêncio.

Muitas mulheres desejam ter filhos e não comentam com ninguém sobre as dificuldades que passam durante o processo. Algumas passam anos tentando engravidar e sofrem silenciosamente com a frustração. É imprescindível conversar com amigos, familiares e profissionais da área. Não fique com dúvida. Faça exames, investigue as possíveis causas da infertilidade. Muitas vezes não é necessário fazer um tratamento de alta complexidade para tornar-se mãe.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Você pode se interessar:

Causas menos conhecidas da infertilidade

Causas menos conhecidas da infertilidade

Conheça algumas causas menos conhecidas da infertilidade feminina e masculina Quando a infertilidade ocorre, hipóteses sobre as possíveis causas são levantadas pelos médicos para, em

Exercícios Físicos Seguros para Gestantes

Exercícios físicos para gestantes

Algumas dicas sobre exercícios físicos seguros para gestantes Uma rotina equilibrada de exercícios físicos durante a gestação auxilia na prevenção de diabetes e pré-eclâmpsia, além