Endometriose

A endometriose é uma doença do sistema reprodutivo feminino, em que o tecido do endométrio (o revestimento interno normal do útero) é encontrado fora da cavidade uterina – são ilhas de endométrio fora do seu lugar habitual, também chamadas de implantes. Estima-se que três a quatro milhões de mulheres brasileiras em idade reprodutiva sofrem de endometriose. Esta doença é mais comum em mulheres entre 30-40 anos de idade, embora possa começar no final da adolescência e início da idade adulta. Cerca de 40% das pacientes com endometriose têm algum grau de infertilidade ou algum tipo de dor no baixo ventre.

A relação entre a endometriose e infertilidade não é completamente compreendida. A principal explicação parece estar relacionada a um bloqueio causado pela inflamação e consequente formação de cicatrizes e aderências nas tubas uterinas – também chamadas de trompas de Falópio. Estas aderências podem bloquear as tubas e impedir o encontro do óvulo com o espermatozóide, ou mesmo atrapalhar a movimentação do óvulo fertilizado pelas tubas em direção ao útero, no caminho para a implantação – a ligação do embrião ao revestimento interno do útero -, o que pode resultar em gravidez ectópica, a conhecida gravidez nas trompas, fato decorrente do óvulo fertilizado se implantar no revestimento das tubas, pois ele não consegue progredir até o útero.

Alguns pesquisadores argumentam que a endometriose pode causar um defeito na fase lútea – segunda fase do ciclo menstrual, a fase que segue a ovulação -, que resulta de baixos níveis do hormônio progesterona com crescimento e amadurecimento inadequado do revestimento interno do útero (endométrio) após a ovulação. Assim, um defeito na fase lútea – também conhecido como insuficiência lútea – impediria a implantação do óvulo fertilizado no endométrio – o que denominamos também falha de implantação. Alguns estudos relatam uma taxa elevada de aborto espontâneo (36%) em mulheres com endometriose versus (15%) na população normal. Outros estudos ainda sugerem que a endometriose, mesmo em seus estágios iniciais, pode determinar um mau funcionamento dos músculos uterinos, o que atrapalharia a migração dos espermatozoides da vagina até as tubas impedindo que a fertilização (fecundação) aconteça.

Como a endometriose leva à infertilidade

Como suspeitar da endometriose?

endometriose afeta entre 10 – 15% de mulheres com idades entre 25-44 anos.

Como tratar a endometriose?

Perguntas para o seu médico se você tem endometriose e está considerando o tratamento.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você pode se interessar:

endometriose e congelamento de óvulos

Endometriose e congelamento de óvulos

Endometriose e congelamento de óvulos – vitrificação de oócitos e preservação da fertilidade por razões médicas diferentes do câncer Endometriose e congelamento de óvulos –

A vitrificação de óvulos

A vitrificação de óvulos

A vitrificação de óvulos e a preservação da fertilidade por razões médicas e não médicas – uma série de 4 posts Siga os nossos próximos

COVID-19-e-a-Medicina-Reprodutiva

COVID-19 e a Medicina Reprodutiva

Covid-19 e a Medicina Reprodutiva – entenda os riscos de engravidar na pandemia A COVID-19 e a medicina reprodutiva nos posiciona a resumir os principais

2 testes da reserva ovariana

2 testes da reserva ovariana

2 testes da reserva ovariana que são importantes marcadores do número de óvulos nos ovários Os 2 testes da reserva ovariana mais realizados atualmente são: