Menu

Climatério e Menopausa

Climatério é uma fase da vida da mulher caracterizada por redução gradual da produção hormonal dos ovários, correspondendo à transição da fase reprodutiva para a não reprodutiva. Isto decorre do esgotamento dos folículos ovarianos, que contém os óvulos. A menopausa é tão somente a última menstruação da vida da mulher, ocorrendo, geralmente, ao redor dos 49-51 anos de idade, sendo considerada precoce quando ocorre antes dos 40 anos.

O estrogênio é um dos hormônios produzidos pelo ovário ao longo da vida reprodutiva, sendo responsável pela feminilidade. Este hormônio protege a mulher contra as doenças cardiovasculares como o infarto do miocárdio. Também dificulta a perda de cálcio dos ossos e quando essa perda é grande ocorre o desenvolvimento da osteoporose, que pode ter como conseqüências as fraturas ósseas.

Com a deficiência deste hormônio que ocorre no climatério, particularmente após a menopausa, passa a haver um risco aumentado para a mulher desenvolver a doença cardiovascular e a osteoporose. Nos primeiros 5 anos após a menopausa a mulher pode perder de 1% a 4% ao ano de massa óssea, ou seja, nesses primeiros 5 anos, sua perda pode chegar a 20% de toda a massa óssea acumulada ao longo de sua vida. Deve-se salientar que todas essas conseqüências são silenciosas e que se manifestam tardiamente.

Os sintomas e sinais típicos do climatério ocorrem em cerca de 75% a 80% das mulheres. Mais comumente se observam as ondas de calor, ou fogachos, sudorese aumentada, nervosismo, depressão, labilidade emocional, insônia, tonturas e vertigens, cansaço, desânimo, dores musculares e articulares, pele seca, unhas e cabelos quebradiços, secura vaginal, dor no relacionamento sexual, diminuição da libido e outros.

O melhor tratamento disponível para o climatério atualmente é a terapêutica de reposição hormonal (TRH) desde que não haja contra-indicação, ou seja, administram-se os hormônios que o organismo não produz mais de forma adequada. Esse tratamento previne a ocorrência das conseqüências silenciosas da deficiência hormonal como a doença cardiovascular, a osteoporose e ainda diminui o risco de ocorrência do Mal de Alzheimer, conforme demonstram numerosas pesquisas. A TRH também produz alívio dos sinais e sintomas típicos desta fase. Deve-se salientar que a TRH é realizada com o estrogênio natural, ou seja, semelhante ao que o ovário produzia antes, não se devendo utilizar para este fim, o hormônio da pílula anticoncepcional, que é sintético e não é produzido pelo ovário em nenhum momento da vida feminina, não sendo adequado para o tratamento da menopausa.

Uma grande preocupação das mulheres com relação à TRH é quanto ao risco de surgimento de câncer. De uma forma geral, o câncer de colo do útero, bem como o de ovário não recebem influência da reposição hormonal. A mulher que tem útero, ou seja, que não foi submetida a uma retirada cirúrgica do órgão por algum motivo, ao fazer a reposição do estrogênio deve receber também doses adequadas de um segundo hormônio, da classe da progesterona (progestagênio), pois assim diminui o risco de desenvolver o câncer de endométrio, que é uma das camadas do útero. Asim, a chance de apresentar este tipo de câncer no futuro, pode ser até menor do que a de quem não faz a reposição hormonal, desde que a TRH seja realizada adequadamente. Quanto ao câncer de mama, hoje se considera que o uso da TRH por até 10 anos não aumenta o risco para este tipo de câncer de forma significativa e para usos mais prolongados pode haver um aumento discreto desse risco, no entanto, os benefícios trazidos pela TRH, de uma forma geral, compensam os riscos. Deve-se ainda salientar que a mulher menopausada que faz uso da TRH vive por mais tempo e com mais qualidade de vida, segundo vários estudos científicos, e o próprio aumento da longevidade pode favorecer a uma maior detecção do câncer de mama. Além disso, quem faz TRH, visita seu médico regularmente e faz exames preventivos com periodicidade, particularmente a mamografia e, assim, caso surja um câncer mamário, o diagnóstico será precoce e as chances de cura serão muito elevadas.

Atualmente, caso haja contra-indicação ou falta de desejo de utilizar a TRH, há outras opções terapêuticas que substituem os hormônios em alguns aspectos, embora a reposição hormonal continue sendo considerada a melhor terapêutica na menopausa. Mas, atenção, TRH é coisa séria e deve ser personalizada para cada mulher, não havendo uma receita pronta que sirva para todas. Somente um médico que conheça bem o assunto pode definir se determinada mulher pode receber a reposição hormonal e quais tipos e doses mais adequados. NÃO FAÇA USO DA TRH SEM ACOMPANHAMENTO MÉDICO!!!

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp

Você pode se interessar:

Diferença entre FIV e ICSI

Diferença entre FIV e ICSI

Conheça, neste artigo, a diferença entre FIV x ICSI As técnicas de reprodução humana assistida são alternativas para casais que apresentam algum problema em engravidar

Síndrome da Hiperestimulação Ovariana

Síndrome da Hiperestimulação Ovariana

A Síndrome da Hiperestimulação Ovariana (SHO) é o efeito colateral mais comum da estimulação ovariana. Qualquer que seja a técnica de reprodução humana assistida, coito

Novembro Azul

Novembro Azul

Começou o Novembro Azul, um movimento internacional para sensibilizar a população sobre os perigos do câncer de próstata e estimular a prevenção e diagnóstico da

Tabagismo e Infertilidade

Tabagismo e Infertilidade

Saiba mais sobre a relação entre tabagismo e infertilidade Fumar é um péssimo hábito para a saúde, isso todos sabem. Entretanto, o que muitas pessoas