Menu

Criopreservação de gametas e embriões

A primeira gravidez com embrião congelado foi relatada no mundo há cerca de 30 anos. Desde então, a maioria dos programas de fertilização “in vitro” (FIV) utiliza a ciência da criobiologia com a intenção de aumentar a oportunidade de gravidez em um único ciclo de estimulação ovariana. Como os protocolos de indução da ovulação aumentaram o número de oócitos saudáveis captados houve a necessidade de armazenar os oócitos e embriões supranumerários. Não é raro hoje em dia, coletarmos 10 ou mais oócitos maduros de uma mulher. Antes das técnicas de congelamento serem rotineiramente usadas no laboratório, a mulher que produzia muitos gametas tinha um número limitado de oócitos a serem inseminados ou risco de ter pré-embriões saudáveis descartados, porque somente três ou quatro pré-embriões poderiam ser transferidos com segurança para o útero após a fertilização. Hoje, tem sido demonstrado que os resultados de gravidez após o descongelamento, em alguns centros que realizam o congelamento, são semelhantes aos resultados de transferência de pré-embriões frescos.

TÉCNICAS DE CONGELAMENTO

O principal objetivo de um programa de congelamento é causar o menor dano possível no momento em que os gametas e embriões estiverem expostos a uma temperatura muito baixa não-fisiológica. Os protocolos usados hoje em dia envolvem técnicas de congelar-seco, que permitem a desidratação da célula para prevenir a formação de gelo intracelular. As técnicas mais utilizadas são a vitrificação e o congelamento ultrarrápido cuja proposta é proteger a célula evitando a total formação de cristais de gelo no seu interior.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Share on whatsapp
WhatsApp
Tentando Engravidar?
Saiba Mais
Procurando Pré-Natal?
Saiba Mais
Laser íntimo
Saiba Mais