Causas Imunológicas

Alguns investigadores acreditam que anormalidades da imunologia da implantação do bebê no útero causam aborto recorrente. Esse é um problema controvertido e existem razões genuínas para o feto representar um enxerto no útero materno. Como a placenta literalmente se implanta no revestimento uterino materno (o endométrio), podemos encarar a gestação como um enxerto da placenta no útero – ou um tipo transplante da placenta e, consequentemente, do bebê no útero.

Não é difícil aceitar que a expressão de antígenos fetais estranhos à mãe (antígenos são substâncias capazes de desencadear reações imunes), especialmente após doação de espermatozóides ou oócitos, podem evocar respostas imunes que por sua vez ajudariam a implantação.

Respostas imunes protetoras que envolvem diferenças antigênicas podem também explicar porque mulheres sem ovários e na vigência de menopausa são tão fecundas quando recebem oócitos (óvulos) doados.

Há dois tipos de imunidade a considerar – a aloimunidade e a autoimunidade.

O que é Autoimunidade?

Várias linhas de evidências sugerem que outros tipos de respostas de anticorpos ocorrem em pacientes com abortos de repetição.

O que é Aloimunidade?

Existem evidências de um fator imunológico na implantação do bebê no útero materno envolvendo antígenos de histocompatibilidade.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você pode se interessar:

gravidez e pandemia

Gravidez e infecção por Covid-19

É fundamental conhecermos os riscos e as consequências da infecção pelo Covid-19 sobre o desfecho da gestação, envolvendo inclusive os riscos de internação e mortalidade.