TRATAMENTOS ACESSÍVEIS
RECEBA NOSSA NEWSLETTER
Ginecologia

Outras patologias

A endometrite (inflamação do endométrio) é uma doença que deve ser investigada na mulher infértil, principalmente, nas pacientes que vão entrar em programa de fertilização in vitro (FIV) ou mesmo naquelas que apresentam falha recorrente de implantação. Segundo Hamou a incidência de endometrite na população geral é de 2%.

Os aspectos característicos de endometrite à histeroscopia são: aspecto secretório e pontilhados vermelhos (aspecto em casca de morango), manchas avermelhadas, glândulas elevadas com estroma baixo (red spots), hipervascularização e distrofias vasculares. 

Alguns estudos relatam que das pacientes com endometrite, 67% apresentaram como queixa principal o sangramento uterino anormal e 33% delas apresentavam infertilidade.

Os germes mais comuns associados a infecção do endométrio foram o Mycoplasma e a Clamídea, nos casos em que a histeroscopia mostrou aspecto de "morango" no revestimento uterino (endométrio). Nesses casos é importante a biópsia e a cultura da secreção endometrial. Nas falhas de FIV, 22% das pacientes apresentaram quadro de endometrite. Após tratamento a taxa de gravidez foi de 43% num grupo de pacientes abaixo de 35 anos (Labastida et al., 1992).

Na realidade, em todos esses estudos não observamos um grupo controle da população geral, pois não sabemos até que ponto pacientes assintomáticas ou com histeroscopia normal podem apresentar cultura positiva para esses germes.

As obstruções tubárias proximais podem ser avaliadas pela histeroscopia. Têm como causa os pólipos cornuais (raros com incidência de 4% nas pacientes inférteis) e as sinéquias cornuais pós-endometrites. A presença de "rolhas" de material amorfo à histeroscopia pode ser tratada com o cateterismo tubário seletivo e desobstrutivo.

A metaplasia óssea do endométrio é uma patologia rara. Pode ser derivada de restos ovulares ou aborto. O sintoma mais frequente é infertilidade, pois o tecido ósseo provavelmente age como um dispositivo intrauterino. A histeroscopia pode não só diagnosticar essa rara patologia, como também remover o tecido ósseo seletivamente.

O papel das hiperplasias endometriais na infertilidade permanece obscuro. Em trabalho realizado por Mencaglia et al.. (1981), em 619 pacientes inférteis, foi diagnosticado hiperplasia endometrial em 10.9%, porém a correlação histológica só foi positiva em 42% dos casos. Nos outros remanescentes 58% o exame histeroscópico havia identificado alterações do tipo disfuncional do endométrio que eram similares a uma hiperplasia endometrial.

Calculadoras da Fertilidade

Calcule a data provável da sua Ovulação

ciclo regular
ciclo irregular

ver resultado

ver resultado

Calcule a data provável do parto do seu bebê

ver resultado

Verifique se seu peso (durante a gravidez) está na faixa ideal * disponível à partir da 13ª semana de gestação.

exemplo: 1 .70 m
exemplo: 61 .5 kg

ver resultado

Nossos Livros Publicados

Bebê a Bordo

Uma obra alegre e esclarecedora que acompanha as 40 semanas da gravidez, mostrando as transformações no corpo da mulher e o desenvolvimento do bebê (ou dos bebês, no caso de múltiplos).

ver
E depois do parto?

E depois do parto?

O bebê nasceu. E agora? Neste livro, a mulher, em especial, e o também marido, vão ter dicas e orientações de como se portar nessa nova etapa de vida.

ver
Galeria de Imagens

Endereço:
Rua Caçapava, 49 • 12º andar
Jardim Paulista • São Paulo • SP • Brasil
CEP: 01408-010

Fone: +55 (11) 3386-1800

WhatsApp: +55 (11) 97230-1800

atendimento@clinicafgo.com.br

© COPYRIGHT 2015, FGO Clínica de Fertilidade
NOS ACOMPANHE
Alerta
Ok
Carregando
Erro

Não foi possível ler a página!